A Cabala do Tefilin

Tefilin — Um Significado mais Profundo das Caixas

Cada um dos Tefilin é um bayit (no plural, batim ), uma caixa ou casa. Dentro da caixa encontra-se um pergaminho, e nele estão escritos quatro parágrafos da Torá.

O Tefilin da cabeça compreende quatro compartimentos distintos contendo pergaminhos individuais, e sobre cada um deles está escrita uma passagem da Torá. O Tefilin da mão possui um único compartimento, com as quatro passagens da Torá escritas num único pergaminho. Tiras de couro pendem das caixas: uma deve circundar a cabeça, a outra ser atada ao braço.

Os Tefilin tangíveis também pressupõem sua esfera espiritual. A caixa abriga o pergaminho. Este, por sua vez, envolve a tinta preta das letras sagradas.

Por conseguinte, os Tefilin dizem respeito a três níveis de “profundidade”. Os dois níveis externos são os makifim , as forças circundantes. O compartimento exterior é o makif ha-rachok — um entorno distante, do mesmo modo que uma casa encerra dentro de si a pessoa que nela habita. O pergaminho que contém as letras também é um makif , uma força circundante, se bem que um makif-ha-karov — um entorno íntimo, próximo das letras, à semelhança de “roupas” que vestem o seu usuário. O texto existente é a própria Torá. É o intelecto Divino, a verdade interior, um penimi , a mais profunda realidade.

AS DEZ SEFIROT

As dez sefirot, as emanações por meio das quais a energia Divina flui no mundo, emergem numa determinada ordem: os três níveis do intelecto e os sete atributos emocionais. Chochmá (sabedoria ou intuição), biná (compreensão ou cognição) e daat (conhecimento ou consciência) são conjuntamente denominadas de mochin (mente) ou sêche l (intelecto). Elas geram as sete emoções: chessed (bondade), guevurá (contenção), tiferet (harmonia), netzach (ambição), hod (devoção), yessod (conexão) e malchut (receptividade).

TEFILIN — UM SÍMBOLO DAS EMANAÇÕES DIVINAS

  O bayit (“casa”) do Tefilin da cabeça simboliza o makif mais transcendente (“força circundante”) — o desejo mais sublime e penetrante. Coroa e circunda a cabeça, e representa o desejo e o propósito da Criação.
A partir dele descende um fluxo sobre o pergaminho, em direção à palavra escrita, a inteligência Divina da Torá. O bayit é pintado de preto, porque representa o nível “mais escuro”, que está além da compreensão, que é chamado de o espaço para “a luz da escuridão”.
Este bayit contém passagens da Torá que representam o intelecto ( chochmá , biná e daat ). Estas passagens nos instruem e nos guiam para que vivamos vidas individuais e busquemos um propósito coletivo.

O SIGNIFICADO DAS DUAS LETRAS “SHIN”

Sobre cada um dos lados do Tefilin da cabeça está gravada a letra shin , uma com três braços e a outra, com quatro braços. A letra shin alude ao sêchel , intelecto, e os três braços representam chochmá , biná e daat . Em primeiro lugar, um pensamento vem à mente ( chochmá ). Então, com a capacidade de cognição ( biná ), compreendemos e deciframos o pensamento. Finalmente, fazemos uso do nosso conhecimento ( daat ) para pôr em prática a nossa compreensão.

Daat nos proporciona a habilidade de fazer escolhas. Assegura que o que quer que compreendamos não permaneça num nível puramente intelectual. Mais exatamente, influencia as nossas emoções e permeia o nosso comportamento. Uma vez que a escolha emerge de daat , ela se ramifica num atributo à direita, chessed (amor e generosidade) e num atributo à esquerda, guevurá (força e contenção).

Como as escolhas ocorrem na daat , e a daat em si pode ser subdividida num atributo à direita e em outro à esquerda, os três níveis no interior do mochin são, na verdade, quatro. Por isso, o Tefilin da cabeça também contém um shin de quatro braços e quatro divisões em seu bayit .

UNIVERSO EMOCIONAL

As sete emanações emocionais inferiores, simbolizadas nas sete voltas do Tefilin da mão, permitem que ocorra a Criação. De fato, o ciclo de sete dias da Criação reflete as sete emanações, cada dia representando uma sefirá .

Assim também vivemos habitualmente. A realidade baseia-se principalmente na emoção, fazendo com que as pessoas reajam, e sua reação manifesta-se segundo sua estrutura emocional.

O SIGNIFICADO DOS TEFILIN AOS TREZE ANOS

Ao completar treze anos, pressupõe-se que a mente de um menino já se desenvolveu o suficiente para que ele possa captar o significado do propósito de sua vida. Assim, seus poderes intelectuais transformam-se em realidade por meio de emoções, até que a verdade desta realidade superior revelada permeie seu modo de ser e de agir.

TEFILIN — ATRAÇÃO DAS EMANAÇÕES INTELECTUAIS PARA DENTRO DA NOSSA REALIDADE

Pouquíssimas vezes nossa vida é dirigida unicamente pela clareza de pensamento. Em termos cabalísticos, isso acontece porque keter , o intelecto Divino, e mochin , o intelecto coletivo de chochmá , biná e daat transcende o universo. Por isso, nosso propósito terreno e os meios de alcançá-lo não são aparentes; devem ser revelados. O ato e a intenção de colocar Tefilin é atrair keter e mochin para dentro de nós, até que a verdade desta realidade superior revelada permeie nosso modo de ser e de agir.

Das caixas e dos pergaminhos nelas contidos pendem as tiras, que primeiro circundam a nossa cabeça e depois são atadas em um nó que tem o formato da letra dalet , pela palavra daat , e da realidade de daat procedem as duas tiras, uma para a direita e a outra para a esquerda, representando o fluxo geral dos atributos emocionais de chessed (amor e generosidade) à direita, e guevurá (força e contenção) à esquerda. Por esta razão a tira da direita pende mais baixo do que a da esquerda, pois desejamos atrair mais chessed que guevurá . Na verdade, chessed e guevurá emanam do mesmo “espaço”, o nó transcendental que entrelaça estes dois elementos, enraizado no mais profundo lugar de keter , o “negro”, o nível além da compreensão, que é chamado o espaço para “a luz da escuridão”. Contudo, buscamos atrair chessed para a revelação dominante.

Em daat está a chave das nossas emoções, para que possam abrir e fluir, numa direção geral, à direita ou à esquerda, dar ou conter, abertura ou confinamento. As tiras representam um fluxo “para baixo” e, embora sua “fonte” (feita de couro) seja a mesma do pergaminho — o makif além das letras e da compreensão — devem ser pintadas com a “escuridão” da tinta preta, refletindo o descenso. Elas representam o nível mais elevado nível de keter (o “negro”) projetado nos vasos mais densos e profundos.

Antes que uma pessoa possa atrair este nível transcendental de keter e mochin , deverá assegurar-se de que seus próprios vasos estejam preparados para absorver o fluxo. Se ela atrair keter e mochin e os vasos forem inadequados, acabará por estilhaçá-los. É por esse motivo que o Tefilin da mão deve ser enrolado antes de colocar o Tefilin da cabeça.

TEFILIN DA MÃO — AS EMANAÇÕES DIVINAS SE UNEM

Enquanto o bayit do Tefilin da cabeça representa keter (intelecto Divino), o bayit do Tefilin da mão significa malchut (reino; receptividade) Malchut é o recipiente de todas as outras nove emanações Divinas.

Por conseguinte, os nove níveis originam-se “no alto”, sendo abrigados em compartimentos separados do Tefilin da cabeça. Ao chegarem ao recipiente, simbolizado pelo Tefilin da mão, as emanações tornam-se tão unidas que passam a residir em conjunto em uma única habitação.

O Tefilin da mão em si é testemunho de todas as emanações Divinas: o bayit e as duas voltas sobre o bíceps correspondem aos três níveis do intelecto; as sete voltas sobre o antebraço são um paralelo às sete emoções; as três voltas no dedo médio refletem o mundo do fazer e da ação.

À medida que o Tefilin da mão é atado apropriadamente, vincula metafisicamente a realidade à dedicação total. Então, o Tefilin da cabeça atrai uma medida mais profunda de mochin de um mundo de perfeita unidade, assegurando uma configuração maravilhosa dos níveis mais profundos de nossa alma, mente, emoções e ações.

Encomende o seu Tefilin

Um projeto

Shluchim Office Sinagoga Morumbi
Tefilin